domingo, 9 de dezembro de 2012

159. 007 PERMISSÃO PARA MATAR, de John Glen

Pode não ser um dos melhores filmes de Bond, mas é satisfatório e a ação é garantida.
 Nota: 8,3


Título Original: Licence to Kill
Direção: John Glen
Elenco: Timothy Dalton, Carey Lowell, Robert Davi, Talisa Soto, Anthony Zerbe, Frank McRae, David Hedison, Benicio Del Toro, Anthony Starke, Desmont Llewelyn e Robert Brown
Produção: Albert R. Broccoli e Michael g. Wilson
Roteiro: Richard Maibaum, Michael G. Wilson e Ian Fleming (romance)
Ano: 1989
Duração: 133 min.
Gênero: Ação / Crime
+ Música Tema: “Licence to Kill”, composição de Naranda Michael Walden, Jeffrey Cohen e Walter Afanasieff e interpretação de Gladys Knight

Tudo parece bem durante o casamento do agente Felix Leiter e sua noiva, apesar de um imprevisto aqui e outro ali, os dois se casam e vão viver felizes. O problema é que durante a lua de mel, os dois sofrem um atentado e ela é assassinada. Devido a insistência de Bond em continuar a investigar o caso, ele é demitido do serviço secreto britânico, mas o agente 007 parece achar que ainda possui sua licença para matar e vai atrás do chefe de uma poderosa organização que trata do contrabando de drogas. Dessa vez, James Bond está atrás de vingança, mas não receber o apoio inglês não significa que ele está sozinho.
O que nos é apresentado nessa sequência é um James Bond mais forte, com raiva do mundo e louco para vingar tudo o que aconteceu com o amigo. Além disso, como é de costume da série delatar problemas sociais e políticos das épocas em que os filmes foram lançados, temos uma denúncia ao descaso do governo para com o contrabando de drogas e a formação de facções criminosas que acabam controlando boa parte do mundo - esse tema voltará a ser visto em “Quantum of Solace” (2008). Aqui também é a despedida de John Glen da direção dos filmes da franquia, aliás, despedem-se, além dele, os atores Timothy Dalton (o agente 007) e Robert Brown (o chefe de Bond, M). Dessa forma, não e difícil imaginar o quanto a série irá ganhar uma cara totalmente diferenciada. Mas voltando a esse filme, é incrível como Glen ainda é capaz de ser original mesmo depois de ter dirigido quatro filmes e esse ser o décimo sexto longa da franquia, transformando aquilo que esperávamos ser péssimo em algo mais do que agradável de se assistir. Outra agradável surpresa é o duplamente indicado ao Oscar Michael Kamen, que substitui Jonh Barry na composição da trilha sonora, apesar de Barry ser inigualável, Kamen já tinha experiência em filmes do gênero de ação e consegue dar conta do recado sem problema algum.


O fato de Bond estar mais agressivo do que nunca, deixa o trabalho para o ator que protagoniza o filme mais fácil ou muito mis difícil, no caso de Dalton, tudo ficou ao seu favor. Apesar de achar que ele não condiz muito com a expectativa de dar continuidade ao trabalho de Sean Connery e Roger Moore, a revolta da personagem fica clara o tempo todo e, dessa vez, não há muitos erros por parte do ator. Carey Lowell é a Bond Girl do filme, uma jovem determinada quando necessário mais um pouco inocente demais para sua personagem, além dela, a bela Talisa Soto interpreta a outra paixão de Bond no filme, essa é um pouco mais inteligente e destemida, mas ainda, apaixonada demais. O vilão é interpretado por Robert Davi, e, como se tornou costume em toda a série, a escolha do ator acaba sendo perfeita para o papel.
Cada vez que um ator deixa a série, parece que tudo muda, entretanto, quando Moore deixou a pele de James Bond para que Dalton vivesse o agente, John Glen continuou na direção da franquia e é aí que este filme se torna um divisor: não teremos mais ninguém conhecido para os próximos filmes (com exceção do cientista Q, interpretado por Desmont Llewelyn), dessa forma, absolutamente tudo irá mudar. Acrescente a isso, o próximo filme seria lançado apenas seis anos após esse, deixando os milhares de fãs desolados e sem nenhuma esperança da volta de Bond. Enfim, a participação de Glen e Dalton na série acaba por aqui, mas ambos jamais seriam esquecidos por qualquer fã de James Bond, afinal, feliz ou infelizmente, todo intérprete de Bond jamais será esquecido.

video

ACESSE NOSSA PÁGINA NO YOUTUBE:
 http://www.youtube.com/user/projeto399filmes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poderá gostar também de: